CASE | UEFA

Ajudando o mundo do futebol, por meio de parcerias de inteligência artificial, a voltar a encantar o coração dos torcedores!

UEFA – União das Associações Europeias de Futebol – é o órgão que rege e representa 55 associações nacionais de futebol na Europa.

Em parceria com o SAFR e o Grupo G2K, o objetivo desta integração foi garantir o retorno seguro dos torcedores aos jogos da UEFA Supercup, através do monitoramento de todas as pessoas que entram no estádio (torcedores, jogadores, equipe, mídia), com base em controles automatizados de detecção anônima de temperatura e máscara facial sem contato.

Localização: Budapeste, Hungria, Arena Puskás

Número de torcedores: 15.000

Tipo de implantação: Segurança Pública

Número de entradas no estádio: 9

Casos de uso: Detecção de máscaras, Vídeo monitoramento, Analítico

O Desafio

Diante da pandemia, de meses de quarentena e isolamento social vivido em todo mundo, a UEFA precisava de uma solução que demonstrasse ser possível aos adeptos do futebol voltarem aos estádios para assistirem e torcerem para a Super Taça Europeia com saúde e segurança.

Devido às restrições do COVID-19, o desafio seria prover as circunstâncias certas, colocando a saúde pública em primeiro lugar, com medidas sanitárias abrangentes que atendessem às recomendações da Organização Mundial de Saúde.

Com o apoio da G2K e do SAFR, o Comité Executivo da UEFA decidiu realizar um jogo-piloto, no dia 24 de Setembro de 2020, permitindo o regresso parcial dos espectadores ao estádio, já que a lei local assim permitia.

Resultados

Após uma série de testes das soluções de inteligência artificial da plataforma G2K e SAFR da RealNetworks, construídas para reconhecer situações críticas em tempo real, a Arena Puskás recebeu um número reduzido de espectadores no jogo do dia de 24 de setembro – até 30% da capacidade do estádio – e teve a oportunidade de estudar com precisão o impacto da volta da torcida.

“Embora tenha sido importante mostrar que o futebol pode continuar em tempos difíceis, sem torcedores, o jogo perdeu algo de seu caráter. Usamos a SuperTaça Europeia em Budapeste como um piloto para ver o regresso dos adeptos aos nossos jogos. Estamos trabalhando em estreita colaboração com a Federação Húngara e seu governo para implementar medidas que garantam a saúde de todo o público para não haver nenhum risco com a segurança e a saúde das pessoas.” disse o Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin.

Após o jogo-piloto bem-sucedido, o Comité Executivo da UEFA decidiu aprovar o regresso parcial dos espectadores aos jogos da UEFA, onde as leis locais o permitirem. O número de espectadores será limitado a um máximo de 30 por cento da capacidade do respectivo estádio e torcedores visitantes não serão permitidos nos jogos até novo aviso. O distanciamento social será obrigatório para os espectadores e medidas de precaução adicionais, como o uso de máscaras, devem ser implementadas de acordo com os regulamentos locais.

Estas medidas fazem parte dos ‘Requisitos Mínimos de Saúde e Higiene da UEFA para o Retorno de Espectadores’, que foram aprovados pelo Comité Executivo da UEFA e que os organizadores dos jogos terão de respeitar. No entanto, as medidas exatas de saúde e segurança que devem ser adotadas devem ser baseadas na situação local e nas leis e regulamentos específicos impostos pelas autoridades locais competentes.

O jogo-piloto, que contou com as soluções de inteligência artificial da parceria entre SAFR da RealNetworks e G2k no monitoramento do público que entrou no estádio, demonstrou que é possível aos adeptos assistirem aos jogos de futebol nas circunstâncias certas, colocando a sua saúde e segurança em primeiro lugar, com medidas apropriadas. A partida também mostrou a aceitação dos torcedores quanto às medidas de precaução sanitária e sua disposição em segui-las e se comportar de acordo.

Comentando a decisão, o Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, disse:
“A decisão de hoje é um primeiro passo sensato que coloca a saúde dos fãs em primeiro lugar e respeita as leis de cada país. Embora todos nós enfrentemos um inimigo comum na pandemia Covid-19, diferentes países têm diferentes abordagens e diferentes desafios a qualquer momento. Esta decisão permite muito mais flexibilidade local para lidar com a admissão de torcedores do que antes, sempre respeitando a avaliação das autoridades locais.

“27 países do continente já permitem fãs até certo ponto. Nestes tempos difíceis, é importante trazer mais esperança e paixão de volta à vida dos torcedores de futebol e pedimos que eles se comportem de maneira adequada e respeitem as medidas sanitárias em vigor para sua própria saúde e para a saúde de seus companheiros de clube e seleções apoiadores.”

Assista o vídeo e confira como foi o evento.

Na indústria do esporte ou do entretenimento a Inteligência Artificial ajuda a trazer de volta fãs e emoções aos estádios. Assista a um breve vídeo e veja como o Grupo G2K e o SAFR apoiaram os organizadores da SuperTaça Europeia em Budapeste, com escaneamento de temperatura corporal e detecção de máscara em tempo real. Uma solução conveniente para a segurança das pessoas trazendo receitas em tempos de pandemia.

G2K e SAFR na UEFA Supercup 2020

Soluções Aplicadas

Para enfrentar estes desafios, a UEFA fez uma parceria com o Grupo G2K, uma empresa de tecnologia alemã com operações globais, para implementar a sua plataforma IoT, Parsifal, em 21 câmaras em 7 pontos de entrada. A análise de vídeo baseada em Inteligência Artificial de Parsifal forneceu um novo nível de consciência situacional, escaneando mais de 15.000 espectadores, funcionários e mídia que chegavam no local. Dois recursos principais para esse caso de uso – detecção anônima de máscara facial e análise demográfica – foram fornecidos pelo SAFR from RealNetworks. Em parceria com a G2K, os principais algoritmos de visão computacional do SAFR foram implantados na plataforma Parsifal, ajudando a fornecer análises de vídeo acionáveis ​​em tempo real.

Com uma taxa de detecção de 95% e capacidade de distinguir máscaras de outras oclusões, o SAFR pode detectar com segurança se um rosto que aparece na câmera está devidamente mascarado. Com alta precisão para máscaras faciais de estilo cirúrgico e de tecido padronizado, a detecção de máscara SAFR foi projetada para condições desafiadoras do mundo real.

A implantação do Parsifal nos pontos de entrada do estádio obteve o resultado desejado, detectando com sucesso todas as pessoas que tentaram entrar no evento sem máscara.

Andreas Schaer, Chefe de Operações Locais da UEFA, ficou satisfeito com o resultado do teste, observando que a tecnologia era “fácil de usar e funcionou muito bem durante os procedimentos de entrada no dia do jogo”. Parsifal e SAFR permitiram à UEFA oferecer um grande evento de futebol seguro e protegido para o público presente, mesmo durante uma pandemia global.

“O uso do algoritmo de detecção de máscara altamente preciso do SAFR fortaleceu a solução Parsifal em geral, tornando-a mais capaz de atender os clientes que lidam com a realidade de uma pandemia global. A G2K espera muitos mais projetos e fortalecer ainda mais sua próspera parceria com o SAFR”


Georg Rennenkampff, Vice-presidente de Gestão de Parcerias da G2K

SAFR ajuda você a voltar a trabalhar e se divertir com segurança

A plataforma de reconhecimento facial de alta precisão do SAFR foi projetada para alto desempenho e processamento rápido, permitindo detectar e combinar milhões de rostos, mascarados e não mascarados, em tempo real. Com o uso generalizado de máscaras, é fundamental que o SAFR seja capaz de manter altas taxas de precisão para reconhecimento de rosto, mesmo quando os rostos estão parcialmente cobertos.

Taxa de detecção de máscara de 95%

98,85% de precisão de reconhecimento facial para rostos mascarados

Contagem de ocupação & painel de detecção de máscara

Controle de acesso sem toque para rostos mascarados

%d blogueiros gostam disto: